Turistando em Florianópolis (SC)

Lembrai-me de que foi recíproco

Teu Adeus

Marejando

13
maio
2019

Agora que retornou, anota aí a nova senha do Netflix…

Por muito tempo eu tentei me contentar com nossas conversas, com nossas brincadeiras, com o nosso relacionamento “nosso” de ser. E no meio de tudo o que construímos juntos, mesmo que fosse somente um amontoado de roupas no chão, ou alguns trabalhos da faculdade reunidos aqui e ali, eu sentia que poderíamos criar algo amais. Talvez pudêssemos criar além daquela conta compartilhada no Netflix, mais um travesseiro. Além de uma algazarra na casa da sua mãe, um aconchego na minha. E além de criar momentos íntimos e “nossos”, quem sabe uma vida nossa.

 

E eu convivi com todos os desejos, tentando não alimentar falsas expectativas e vivendo cada minuto ao seu lado, como se fosse uma hora. Desfrutando de cada milésimo de segundo. E eu consegui por muito tempo, até que algo em você mudou, e talvez nesse instante, você não tenha conseguido. Não o julgo, pode ter sido apenas você, ou eu. Pode ter sido apenas insegurança, ou medo. Pode ter sido apenas receio de amar, ou de magoar. Pode ter sido tanto, e por tanto, fomos deixando de ser tanto como éramos, ou poderíamos ser.

 


Em sua ausência, eu continuei com aquela conta do Netflix, continuei comendo as pizzas às noites e continuei acumulando algumas roupas aqui e ali. Mesmo que nada disso envolvesse você. Sua pessoa. E das outras pessoas eu não queria saber, por que tudo me remetia aos nossos momentos. E talvez tenha sido até bom, pois aprendi a abraçar a saudade e aconcheguei-a ao meu cobertor. Sempre a espera de ti.

 


Quando percebi que não retornaria, cogitei algumas possibilidade de te trazer de volta, mas e se você não quisesse? Eu não poderia ser egoísta com alguém tão especial assim. E por isso passei a esquecer seu nome. Apesar de querer muito e querer tanto, não podia te ter em meu presente. Aceitar isso não foi fácil, mas eu amadureci a ideia. Foi quando você reapareceu. Tinha aquele mesmo sorriso, mas o cabelo estava diferente, assim como seu olhar e foi então que eu percebi que sua ideia também tinha amadurecido. E dessa vez, talvez, quem sabe, poderíamos criar novos planos e compartilhar novas ideias. Compartilhar novamente a conta do Netflix, o ultimo gole de café e o cobertor. E além de compartilhar aquela pizza de sexta-feira, o café da manhã do domingo. Além do travesseiro, o guarda-roupa. Além de novos momentos “nossos”, uma vida nossa.

Você também pode gostar de ler:

Comente sobre isso:

Deixe seu comentário

1 Comentário

  • […] Você aconteceu na vida dele. Não sei como e não procurarei saber. A foto dos dois juntos já foi o suficiente para saber que ele está bem sem mim. A dor de não ser o motivo do sorriso dele é angustiante, mas essa sorte é toda sua. A saudade dos braços dele envolta ao meu corpo vai permanecer até o dia em que eu conhecer outros mais calorosos, enquanto isso, você irá se aventurar dentro deles e em todas as outras curvas de seu corpo. Desfrute bem dele por mim. […]

  • © 2019 Palavras Ambulantes • Desenvolvido com por