Turistando em Florianópolis (SC)

Lembrai-me de que foi recíproco

Teu Adeus

Marejando

17
abril
2018

Leia quando… Estiver confusa com sua vida

Sabe…

 
Eu ainda não sei o real sentido da vida e muito menos o porquê dela. O porquê da nossa existência. Tem dias que eu acordo e não quero “o amanhã”, tem dias que não quero saber de nenhum ser humano perto de mim, e tudo bem sabe? Eu posso não querer e não me culpar por isso. Mas eu também posso fazer diferente e buscar o “porque” de eu não querer “o amanhá”. Por quê? O que tem de tão ruim que eu quero evitar? É medo ou insegurança, ou os dois? E seja o que for, tudo bem. Dá pra seguir em frente mesmo com medo. Foi assim que eu vivi um dia de cada vez. E olha, ainda estou viva…
 
É difícil demais ficar querendo respostas sem prestar atenção nas perguntas. Na maioria das vezes, a gente analisa as questões pelo contexto, ou se é apresentado algum texto junto, e depois interpretamos para responder. Tem todo um processo de leitura, paciência, interpretação, aceitação, até chegar a resposta, conclusão. Na vida real não é tão diferente. Mas é que somos tão ansiosos, que em muitas questões não lemos as coisas direito e já chutamos a alternativa sem prestar muita atenção. Faz parte, mas também dá pra fazer diferente, e diferente dos testes e das provas, na vida real a gente não tem tempo predestinado. “Temos todo tempo do mundo” já dizia Renato Russo.
 
Pelo o que exatamente estamos ansiando? Pelo futuro? Qual é ele? Como ele é? Faculdade, diploma, papel? Hã? Será que vale a pena todo esse estresse? Será que realmente vale a pena tudo isso? E por que vale? Não! A questão não é profissional e muito menos a realização pessoal em se graduar. É maior! É do seu eu. É demais, pra você se doar tanto, por tão pouco… E sim, é pouco! Por que você é muito maior do que sua graduação, e depois que você se formar? Já parou pra pensar? A vida não se resume a isso, depois você pode fazer uma especialização, mestrado, tudo o que tiver vontade. E se não tiver vontade tudo bem . Mas tudo bem mesmo. Já parou pra pensar nessa loucura?
 

Eu sei, é difícil. Mas calma. Eu não to falando pra você largar tudo, ficar rebelde e tudo mais. To falando pra se ouvir um pouco mais, com mais atenção. Normalmente, mesmo inconscientemente, fazemos muito com base na opinião ou reação dos outros. E não é nossa culpa, não é culpa de ninguém. Isso acontece e é algo difícil de se quebrar. Mas querendo ou não, a gente vai se moldando para se encaixar nesses quadradinhos e sem saber a gente pode ser um triângulo nesse meio. Não encaixa, sabe? E tudo bem. Eu posso me encaixar num outro quadrado com alguém, ou num retângulo com mais alguém, ou algo, ou sei lá… seja o que for…. seja o que eu …você…quiser!
 
Não precisa de tanto estresse, e sim, é foda pra porra desconstruir isso! Mas mesmo com medo, mesmo com receio, ouve o que eu to falando, ouve o que você tá dizendo pra si… Uma hora esses pensamentos vão gritar tanto que você vai ficar maluca, e eu sei do que estou falando. A gente aprende pelo amor ou pela dor. E mesmo que doa, a dor precisa ser sentida, então sinta-a. E lembre-se, tá tudo bem. Ninguém tem o dever de ser forte o tempo todo. E você não precisa fazer o que todo mundo faz…
 
Todo mundo faz faculdade, trabalha, casa e tem filhos… Lembra que eu disse que a gente pode ser um triângulo? A gente pode muito bem não fazer faculdade, trabalhar só pra pagar o cartão de crédito e se aventurar pelo mundo. Por que não? Quem disse que não? É radical demais? Ousado? Impossível? Quem disse? E foda-se quem disse,  a gente pode o que quiser. Eu acredito nisso. E mesmo com um puta medo eu vou tentar buscar algo em que eu me encaixe. Seja onde for ou onde estiver. Vou procurar o que é “tudo bem” PRA MIM. Já é início de algo, e tá ótimo pra mim, então tudo bem mesmo. Tá tudo bem, pra você? Isso é o que importa.
 
Só acredita tá? Fica bem que o amanhã pode até ser pior do que hoje, mas o depois de amanhã pode ser bom, e o depois-depois de amanhã pode ser melhor…ou não…e sei lá, não precisamos saber, só viver.

Você também pode gostar de ler:

Comente sobre isso:

Deixe seu comentário

© 2019 Palavras Ambulantes • Desenvolvido com por