23 abril 2017

Minha Primeira Leitura



Olá Pessoal, como estão vocês ?

Dia 18 de Abril é comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil em homenagem ao Monteiro Lobato, que foi um grande  escritor da literatura brasileira. E hoje é comemorado o Dia Mundial do Livro, como marca da morte de três importantes autores: Willian Shakespeare (1564 - 1616), Miguel de Cervantes (1547 - 1616) e Inca Garcilaso de Ia Vega (1539 - 1616). Devido à estas datas especiais o post de hoje é em referência ao universo literário. 

Como eu iniciei minha relação com os livros? De onde veio essa paixão pela leitura? Bom, eu não lembro com quantos anos eu li meu primeiro livro, mas sei que eu era bem criança na época. Desde que me entendo por gente, lembro que sempre gostei de ler e escrever, então provavelmente eu tenha iniciado minha relação com a leitura muito antes desse livro, mas como ele é o primeiro que me recordo e o mais grossinho e menos infantil, eu o considero como o primeiro de todos.

O livro era A Mina de Ouro da escrita Maria José Dupré, que é um dos livros da Coleção Cachorrinho Samba. O livro não é complicado, mas vamos lembrar que eu era bem pequena na época em que o li e por isso ele deveria ser o mais simples e ter uma história fácil de ser absorvida. O desenrolar da história é bem gostoso e eu reli esse mesmo livro diversas vezes, mesmo sabendo como ele terminaria. E cada vez que eu lia minhas sensações eram diferentes, por isso sempre foi um livro muito bom para mim.
Sipnose: Uma excursão que se transforma numa incrível aventura. Explorando o pico de um morro, onde foram passear, os meninos descobrem a mina de ouro abandonada e se perdem lá dentro.

11 abril 2017

O CAFÉ MORNO DE CADA DIA


Sentada em uma mesa de canto, usando uma camiseta azul clara e um jeans desbotado, estava Lidia. O pedido era o mesmo de sempre, um café sem açúcar. Enquanto aguardava sua advogada chegar, ela lia os noticiários online em seu notebook, onde destacavam tragédias sem fim. Um longo suspiro foi solto no ar e para preencher o vazio, o pedido foi entregue. Lidia esquentou suas mãos na xícara branca de porcelana e observou a chuva que molhava a janela de vidro do outro lado da lanchonete. Minutos depois sua advogada chegou, seu terno cinza estava um pouco molhado e a mesma carregava uma pasta preta, que Lidia já sabia bem quais documentos estavam escondidos ali dentro.

Quando Felicia sentou-se à frente de Lidia, nenhuma palavra foi dita, ambas ouviram o barulho da chuva cair e dessa forma, deram início ao trabalho. Eram muitos documentos a serem assinados e mesmo que Lidia imaginasse que aquela decisão seria o fim de tudo, para Felicia a situação era completamente contrária.

― Você tem certeza do que está fazendo? – Felicia perguntou.

Lidia voltou a olhar a chuva e se perdeu em pensamentos por um instante, e antes de responder o questionamento da amiga, levou a xícara até a boca para beber um gole do café intacto.

― Vale a pena ficar requentando o café para manter-se acordada?

― Eu creio que não.

― Exatamente. Será que vale a pena manter-se firme na realidade, abastecida por duas doses diárias de café? Por que não me contenta mais os cafés mornos de cada dia, já não possuem cafeína o suficiente para manter-me de pé. Esta não é a vida que me cativa. Por isso decidi que esta será minha última xícara de café, não me importo mais se estarei ligada ou não nos 220 watts por que sou um ser humano, e não um robô que precisa de combustível para continuar ativa na sociedade.

27 março 2017

Não desista do seu blog!


Não tem como, em algum momento a blogueira ou o blogueiro vai se deparar com uma rotina agitada tendo muito pouco tempo para se dedicar ao blog e assim as coisas vão sendo deixadas de lado. Ou às vezes nem é culpa da rotina, a pessoa pode até ter tempo de sobra para blogar, porém o que falta mesmo é a coragem e criatividade de escrever e divulgar (o que é chato na maioria das vezes), mas além disso para o blog se manter vivo é preciso interagir com os leitores e ter um diferencial na blogosfera. 

Todos querem reconhecimento e sucesso, mas para isso é necessário dedicação e paciência, já que nenhum blog famoso atual fez sucesso da noite para o dia. As coisas não funcionam desse jeito. Há tantos blogs hoje em dia, que pode acontecer de você não achar que consegue ganhar o reconhecimento que deseja e assim, se sentir por algum modo, diminuído e inseguro mas vale lembrar que tudo deve ser feito por amor, e se você não está tendo reconhecimento agora espere por que no futuro terá. Tenha certeza disso! 

Só não vale colocar tudo na prática e sair plagiando post's ou escrevendo post que não são tão legais legais, e que não são compatíveis ao seu blog. Antes de publicar pare e pense um pouco: Isso está bom? Eu leria isso?  Faça tudo com carinho e dê seu melhor para que os post's e todo o resto saia com um conteúdo maneiro. Mesmo que dessa forma você só consiga postar três vezes na semana (ou menos do que isso). Lembre-se que os leitores gostam de conteúdo interessante, e eles também merecem isso. 

20 março 2017

[RESENHA] As Vantagens de Ser Invisível, de Stephen Chbosky



TÍTULO ORIGINAL: As vantagens de ser invisível
AUTOR: Stephen Chbosky
EDITORA: Rocco  PÁGINAS: 223
CATEGORIA: Ficção, Ficção juvenil
CLASSIFICAÇÃO: 💙💙💙

SINOPSE: Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras - são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.



RESENHA: O livro é um conjunto de cartas que Charlie escreve para alguém sem nome. Não sabemos nada sobre esta pessoa que vira um amigo oculto de Charlie, e ao longo do livro eu esperei realmente que houvesse uma pista que informasse algo sobre esta pessoa, mas no final não descobrimos nada. Talvez essa informação não acrescentasse em nada na história, mas eu fiquei curiosa. A escrita é bem simples e singela, aos poucos você começa a perceber o modo de pensar e agir do personagem principal, e percebe que há algo errado ou pelo menos um tanto estranho, pode ser a inocência que ele demonstra ter todo o tempo, ou apenas a percepção de que Charlie nunca parece estar totalmente onde está. Ele não pensa antes de agir, mas também não age conforme seus desejos, e em poucos momentos observamos o garoto fazer algo por si próprio. As cartas que ele escreve descrevem seu cotidiano, e em alguns relatos, ele se perde em vários comentários sem muito sentido o que me deixava meio confusa. Isso por que a escrita é conforme a linha de pensamento do mesmo na maioria das vezes.
"Não sei se você já se sentiu assim, querendo dormir por mil anos. Ou se sentiu que não existe. Ou que não tem consciência de que existe. Ou algo parecido. Acho que querer isso é muito mórbido, mas eu quero quando me sinto assim. É por isso que estou tentando não pensar. Só quero que tudo pare de rodar. Se ficar pior, eu terei de ir ao médico. E teria aquela coisa ruim novamente."
Os personagens não foram bem descritos no livro, e nem era para serem já que a trama gira em torno do próprio Charlie. O que aconteceu com ele? Por que e como? São perguntas que você irá se fazer a todo instante, mas não seja tão ansioso pelas respostas. O livro é fácil de ler, mas não quer dizer que você não tenha que forçar um pouco sua cabecinha para compreender a mente do garoto. O personagem possui uma doçura triste às vezes, e sua felicidade parece instável, tendo ele sempre que estar perto de alguém para se sentir um pouco menos solitário e bem consigo mesmo. Porém vemos que a família dele não percebe muito o comportamento de Charlie, e a carência de atenção que ele possuía pela família nunca era suprida devido a isso. Somente após o "climax" que as coisas mudam.




17 março 2017

O melhor ângulo de enxergar a vida


Temos uma mania tremenda de viver com a "síndrome do cachorro vira-lata". Vivemos sempre como os coitadinhos, aonde tudo dá errado e ninguém nos pega no colo para fazer um carinho. Fazemos drama por tudo, não é mesmo? Fazemos drama por aquela unha quebrou, pela nota ruim que tiramos na faculdade, pelo ônibus que passou direto e nem nos viu dando sinal. Nunca paramos e olhamos para nossas próprias conquistas e todos os dias vivemos na disputa de quem sofre mais.

Sabe aquela frase: “Pensamentos positivos, atraem coisas positivas”? É muito compartilhada pelas redes sociais e pouco aplicada na vida real. Claro, ficar pensando que irá conseguir um emprego não fará alguém bater na sua porta lhe oferecendo aquela vaga maravilhosa, mas pense positivo sobre aquela entrevista, surpresas sempre acontecem. E é bom estarmos preparados para recebe-las de portas abertas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
home o blog escritos universo literário contato
Palavras Ambulantes | Todos os direitos reservados ©| Desenvolvido por Andressa Silva e Karolline Vicente