[RESENHA] A Maldição, de Stephen King

TÍTULO ORIGINAL: A Maldição do Cigano AUTOR: Stephen King
ANO: 2010 EDITORA: Ponto de Leitura PÁGINAS: 424
GÊNERO: Juvenil, Literatura Estrangeira, Policial, Suspense, Terror
CLASSIFICAÇÃO: ★★★★★❤

SINOPSE: Com uma rotina tranquila, bem casado, o advogado Bill Halleck não tinha muitos problemas na vida. A não ser o peso. Mas por nada no mundo dispensaria os dois ovos com bacon do café da manhã ou os pacotes de Doritos diariamente devorados. Tudo iria mudar drasticamente naquele maldito dia. A velha cigana se pôs em seu caminho e Bill não conseguiu parar o carro. Ao mesmo tempo em que as rodas esmagavam a velha, a vida de Halleck começava a ser destruída. Considerado inocente pela justiça humana, não pôde fugir à maldição soprada por Taduz Lemke, o patriarca dos ciganos, na saída do tribunal. 'Emagrecido', praguejou o velho. A partir desta dia, os 111 quilos de Bill passam a ser sugados vertiginosamente. Se não conseguir deter a maldição cigana, em pouco tempo Bill não será mais do que um feixe de ossos.
SOBRE A LEITURA: Eu já tinha lido muitas críticas ótimas do livro e iniciei a leitura bem empolgada, até por que adoro a escrita do autor. De inicio, eu não me senti tão interessada, não sei se foi por causa do ambiente do trabalho ou por que a narrativa estava complicada mesmo. Eu senti que o Stephen demorou um pouco para desenrolar a história, e por isso o começo para mim foi meio cansativo. Mas o livro é muito bem construído, com personagens bem distintos e com características fortes e nítidas, como a maioria dos personagem que King cria.  Stephen tem uma escrita maravilhosa, como já comentei na resenha do livro "A Hora do Vampiro", mas pode ser que algumas pessoas também sintam o "peso" de alguns parágrafos por eles serem um tanto rebuscados. 

A história gira em torno de BilHalleck, um advogado que por causa de uma atitude irresponsável acaba atropelando e matando uma mulher. Como ele tinha alguns contatos aqui e ali, conseguiu se livrar da cadeia e esse fato despertou a ira de um cigano, que em forma de vingança, amaldiçoou o advogado para que ele emagrecesse até a morte. Bill era um homem obeso e ao passar dos dias foi observando seu peso despencar bruscamente. O medo da maldição e  descrença do que o cigano fez com ele, fez com que o advogado criasse uma raiva horrenda por sua mulher, culpando-a pelo acidente. E esse sentimento de ódio me deixava incomodada em muitos momentos, por que o homem egoísta não conseguia assumir seu papel de culpa na história, e esse descontrole emocional traz consequências no final do livro.

** Sobre o final: O Stephen é mestre em cagar com a história, então se eu puder dar-lhe um conselho, não tente prever NADA do que pode acontecer. Você será surpreendido(a) e ficará indignado(a) como eu fiquei. Haja palavrões para descrever o sentimento que senti quando li o último capítulo. 

#Desabafo: Bloqueio de Escrita


Esses dias eu ando com algumas incertezas tão certas. Todas já fazem parte da família e por isso não insisto para que vão embora, mas eu sempre fico meio “vazia” com a presença desses pensamentos. Como se sugassem algo que desconheço, eu só observo o resultado quando já o sinto em mim.

São descrenças, fraquezas e dores que às vezes não machucam, mas deixam cortes internos. E não há palavras que façam as pessoas compreenderem tudo o que ocorre comigo, pois eu mesma não sei contar essa história. E nem as palavras suprem esses momentos e esse é o maior problema. Eu sei que há algo realmente fora do lugar quando não consigo escrever sobre.

Não que eu tenha ciência de tudo, mas referente ao meu dicionário interno, eu devo ter total controle perante ele. E ultimamente somente consigo tumultuar folhas em branco em cima da minha escrivaninha. Histórias, cartas, posts, poemas, nada é escrito como eu gostaria. Não na mesma intensidade e métrica. Mas eu insisto aqui, nestes parágrafos, e continuarei insistindo, tanto em me livrar desse bloqueio em minha escrita, quanto também em outros bloqueios.

DESAFIO LITERÁRIO | Palavras Ambulantes

Decidi criar um desafio literário para me desvincular dos gêneros que sempre ando lendo. Eu até já tinha um lista com alguns livros inusitados a serem lidos, mas desta vez resolvi trazer uma lista mais completa ao blog, assim vocês podem acompanhar os livros que foram retirados do desafio. Eu uni a minha lista antiga, com algumas outras sugestões e ideias, tanto de amigos quanto da internet e assim montei esse desafio enorme. Será que até o final de 2018 eu o encerro?
  1. Um livro que você comprou pela capa.
  2. Um livro com mais de 500 páginas.
  3. Ler o primeiro livro de algum(a) escritor(a) popular.
  4. Um livro que tenha números como título.
  5. Um livro auto-publicado.
  6. Um livro publicado no ano em que você nasceu.
  7. Um livro com personagens gays ou bissexuais.
  8. Um livro que tenha sido publicado há mais de 100 anos.
  9. Um livro que seja uma biografia.
  10. Um livro com personagens que não são humanos.
  11. Um clássico nacional.
  12. Um clássico internacional.
  13. Um livro com protagonista negro(a).
  14. Um livro escrito por mais de um(a) autor(a).
  15. Um livro que esteja na lista dos mais vendidos no mês do seu aniversário.
  16. Um livro com a capa ou título em amarelo.
  17. Um livro que seja um romance de época.
  18. Um livro de comédia.
  19. Um livro com menos de 150 páginas.
  20. Um livro na lista dos Best-Sellers.
  21. Um livro com personagem que tenha o mesmo nome ou apelido que você.
  22. Um livro que foi adaptado para os cinemas.
  23. Um livro escrito por um ator/atriz famoso(a).
  24. Um livro recomendado por um amigo.
  25. Um livro para acabar em um dia.

Livros mais desejados | 2º Semestre de 2017

Eu não costumo comprar livros, às vezes ganhos alguns, em outras ocasiões pego livros emprestados ou baixo o Epub no celular e leio online. Mas nem sempre consigo ler aqueles lançamentos imperdíveis que todo mundo só consegue ler se comprar. E já que estou desejando vários livros e infelizmente não comprarei nenhum neste mês, resolvi compartilhar os queridinhos do momento neste post.

#1. Deuses Americanos, de Neil Gaiman


Páginas: 576 | Gênero: Ficção, Romance, Literatura Estrangeira | Ano: 2001 | Editora: Intrínseca
Descrição: A saga de Deuses americanos é contada ao longo da jornada de Shadow Moon, um ex-presidiário de trinta e poucos anos que acabou de ser libertado e cujo único objetivo é voltar para casa e para a esposa, Laura. Os planos de Shadow se transformam em poeira quando ele descobre que Laura morreu em um acidente de carro. Sem lar, sem emprego e sem rumo, ele conhece Wednesday, um homem de olhar enigmático que está sempre com um sorriso no rosto, embora pareça nunca achar graça de nada. Depois de apostas, brigas e um pouco de hidromel, Shadow aceita trabalhar para Wednesday e embarca em uma viagem tumultuada e reveladora por cidades inusitadas dos Estados Unidos, um país tão estranho para Shadow quanto para Gaiman. 

É nesses encontros e desencontros que o protagonista se depara com os deuses — os antigos (que chegaram ao Novo Mundo junto dos imigrantes) e os modernos (o dinheiro, a televisão, a tecnologia, as drogas) —, que estão se preparando para uma guerra que ninguém viu, mas que já começou. O motivo? O poder de não ser esquecido. O que Gaiman constrói em Deuses americanos é um amálgama de múltiplas referências, uma mistura de road trip, fantasia e mistério — um exemplo máximo da versatilidade e da prosa lúdica e ao mesmo tempo cortante de Neil Gaiman, que, ao falar sobre deuses, fala sobre todos nós. “Deuses americanos” foi adaptado para a TV em série, com roteiro do próprio Neil Gaiman e produção de Bryan Fuller (das séries Hannibal e Pushing Daisies e dos filmes da franquia Star Trek). Juntos, os livros de Neil Gaiman lançados pela Intrínseca já venderam mais de 100 mil exemplares. “Original, arrebatador e infinitamente criativo.”

#2. Por que fazemos o que fazemos, de Mario Sérgio Cortella


Páginas: 176 | Gênero: Autoajuda, Filosofia| Ano: 2016 | Editora: Planeta do Brasil
Descrição: Uma rotina atribulada, a falta de motivação e a dúvida constante a respeito de sua própria existência e tudo o que diz respeito a quem realmente somos é tema constante de debates e conversas até então descompromissadas.

Diante de uma sociedade que não aceita mais viver por obrigação ou trabalhar apenas para ganhar dinheiro, o livro “Por Que Fazemos o Que Fazemos?” lista as dúvidas mais comuns dos profissionais brasileiros, elucidadas por Mario Sergio Cortella, filósofo com vasto conhecimento sobre o comportamento humano.

#3. A Rainha Vermelha, de Victoria Aveyard


Páginas: 424 | Gênero: Ficção Juvenil, Romance | Ano: 2015 | Editora: Seguinte
Descrição: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?
Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe — e Mare contra seu próprio coração.

Turistando em Balneário Camboriú (SC)


No feriado de 07 de Setembro viajei para Santa Catarina, região sul do Brasil, especificamente para a cidade de Balneário Camboriú. Passei quatro noites em SC e pude desfrutar de muitos lugares incríveis, como a cidade de Florianópolis, Parque do Beto Carrero, entre outros.

Eu nunca tinha viajado sem os meus pais e dessa vez fui somente com uma amiga. E eu também nunca havia viajado de avião antes, e por isso essa experiência foi muito importante e marcante em minha vida. Por isso, trago com carinho este post à vocês leitores!
A criação do município de Balneário Camboriú ocorreu apenas em 1964, quando o distrito de Praia de Camboriú se emancipou de Camboriú, mas manteve o mesmo nome antecedido pelo adjetivo "Balneário". O topônimo inicial do município, "Balneário de Camboriú", foi alterado em 1979 para "Balneário Camboriú".
A população atual é uma mistura de descendentes de alemães, poloneses, portugueses e italianos.
— Wikipédia (Acesso em 17/09/2017) 
06 DE SETEMBRO
Eu e minha amiga partimos do centro de São Paulo até o aeroporto de congonhas, com um voo direto destinado à Navegantes em Santa Catarina. Tirando a troca de portões em cima da hora, tudo foi bem tranquilo e sem qualquer estresse. Eu em contrapartida, estava muito nervosa por andar de avião pela primeira vez, mas foi incrível. Chegando em Navegantes, um transfer nos levou até o hotel em Balneário Camboriú e após desfazer as malas, fomos jantar em uma pizzaria muito boa na beira da praia.

⇾ Sobre o Hotel: O hotel escolhido foi o Hamburgo Palace que fica bem próximo à praia. Eu adorei toda a recepção, o quarto é super confortável e a estrutura ainda oferece várias opções de lazer. O café da manhã dispõe de várias opções bem gostosas e por isso eu sempre tentava comer um pouco de cada coisa. 👅

Turistando em Florianópolis (SC)


No feriado de 07 de Setembro viajei com uma amiga para Santa Catarina, especificamente para a cidade de Balneário Camboriú, onde escrevi maiores detalhes sobre a cidade neste post. Passei quatro noites em SC e pude desfrutar de muitos lugares incríveis, e um deles é a cidade turística de Floripa.
Florianópolis é a capital do estado brasileiro de Santa Catarina, na região Sul do país. O município é composto pela ilha principal, a ilha de Santa Catarina, a parte continental e algumas pequenas ilhas circundantes. A cidade tem uma população de 469 690 habitantes, de acordo com estimativas para 2015 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É o segundo município mais populoso do estado (após Joinville) e o 47º do Brasil. A região metropolitana tem uma população estimada de 1 096 476 habitantes, a 21ª maior do país. A cidade é conhecida por ter uma elevada qualidade de vida, sendo a capital brasileira com maior pontuação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), calculado pelo PNUD, das Nações Unidas. A economia de Florianópolis é fortemente baseada na tecnologia da informação, no turismo e nos serviços. A cidade tem 42 praias e é um centro de atividade de navegação.
— Wikipédia (Acesso em 17/09/17)
De manhã iniciamos o tour pelo Memorial Miramar, depois pelo mercado público, passando pela praça 15 de Novembro onde a está centralizada a maior figueira do Brasil (segundo os catarinenses), e depois ainda visitamos a catedral da cidade e o museu histórico de Floripa, conhecido como Palácio Cruz e Sousa, antigo Palácio Rosado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...